NuSócios: Nubank começa a distribuir BDRs sem custo nesta terça-feira (9)

O banco digital informa que os investidores só poderão negociá-los após 12 meses (ou seja, não poderão decidir se vão manter ou vender neste período). 
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp

Cada vez mais perto de seu IPO, o Nubank já está notificando nesta terça-feira (9) os clientes que poderão receber um Brazilian Depositary Receipts (BDR) da fintech sem custo, que será negociado como NUBR33 na B3, a Bolsa de Valores brasileira, a partir de dezembro deste ano.

O banco digital informa que os investidores só poderão negociá-los após 12 meses (ou seja, não poderão decidir se vão manter ou vender neste período). 

Vale ressaltar que essa opção é válida apenas para o BDR doado. Quando o investidor pagar pelo certificado, eles poderão ser negociados livremente na Bolsa.

“O pedacinho do Nubank que estamos oferecendo sem custo é um BDR – um certificado que, segundo nossas estimativas, vai representar 1/6 de uma ação ordinária classe A da Nu Holdings, empresa líder do grupo Nubank. Essa fração será confirmada ao final do IPO”, informa o banco.

O banco ainda lembra que, por conta do BDR do programa NuSócios só poder ser negociado daqui a 12 meses, não é preciso se preocupar em declará-lo no próximo Imposto de Renda: “Quando este momento chegar, iremos enviar instruções para que você possa fazer sua declaração corretamente”. 

“Esta é uma forma que encontramos de agradecer nossos clientes e convidá-los a se tornarem sócios do Nubank, mas ele também é algo muito maior: é a chance para milhões de brasileiros de terem seu primeiro investimento na Bolsa de Valores, sem precisar investir nada com isso”, complementa a fintech.

Além disso, o banco digital ressalta que BDRs, assim como as ações, são investimentos de risco e indicados para determinados perfis de investidores. 

“Ao disponibilizar um pedacinho do Nubank sem custo algum, estamos convidando nossos clientes a entrarem na Bolsa de Valores com a pontinha do pé: conhecer mais sobre os riscos e oportunidades, estudar o mercado, tudo sem precisar gastar seu próprio dinheiro”, anuncia.

VALE A PENA?

Marco Saravalle, estrategista-chefe da SaraInvest, disse que apesar de ser uma iniciativa válida para trazer novos investidores, pode também trazer pessoas não qualificadas para a entrada em ativos agressivos. 

“Vai precisar de muita educação financeira nessa base de investidores, que vai ser um valor pequeno, mas eles vão se tornar acionistas do banco. […] vai ser muita gente entrando aqui na B3, abrindo conta via esse IPO do Nubank”, avaliou Saravalle.

Na visão do especialista em renda variável da RJ Investimentos, Gabriel Mota, o cliente vai conseguir buscar boas oportunidades se tiver estratégia de longo prazo, diante da volatilidade do mercado. 

“O investidor que vai entrar tanto lá fora, seja via BDR, seja diretamente em uma corretora lá fora ou aqui dentro, sendo que aqui tem que ter mais paciência do que lá fora, é necessário que o investidor tenha essa cabeça de longo prazo”, analisou.

Por fim, Mota citou a entrada de novos CPFs na Bolsa como um ponto positivo, mas que é necessário uma melhor educação financeira desses investidores.